domingo, 6 de novembro de 2011

Uma analogia interessante...



UMA ANALOGIA INTERESSANTE


No ventre de uma mulher grávida estavam dois bebês. O primeiro pergunta ao outro:
- Você acredita na vida após o nascimento?

- Certamente. Algo tem de haver após o nascimento. Talvez estejamos aqui principalmente porque nós precisamos nos preparar para o que seremos mais tarde.
- Bobagem, não há vida após o nascimento. Como verdadeiramente seria essa vida?
- Eu não sei exatamente, mas certamente haverá mais luz do que aqui. Talvez caminhemos com nossos próprios pés e comeremos com a boca.
- Isso é um absurdo! Caminhar é impossí­vel. E comer com a boca? É totalmente ridí­culo! O cordão umbilical nos alimenta. Eu digo somente uma coisa: A vida após o nascimento está excluí­da. O cordão umbilical é muito curto.
- Na verdade, certamente há algo. Talvez seja apenas um pouco diferente do que estamos habituados a ter aqui.
- Mas ninguém nunca voltou de lá, depois do nascimento. O parto apenas encerra a vida. E afinal de contas, a vida é nada mais do que a angústia prolongada na escuridão.
- Bem, eu não sei exatamente como será depois do nascimento, mas com certeza veremos a mamãe e ela cuidará de nós.
- Mamãe? Você acredita na mamãe? E onde ela supostamente está?
- Onde? Em tudo à nossa volta! Nela e através dela nós vivemos. Sem ela tudo isso não existiria.
- Eu não acredito! Eu nunca vi nenhuma mamãe, por isso é claro que não existe nenhuma.
- Bem, mas às vezes quando estamos em silêncio, você pode ouvi-la cantando, ou sente, como ela afaga nosso mundo. Saiba, eu penso que só então a vida real nos espera e agora apenas estamos nos preparando para ela!

(Desconheço a autoria)

23 comentários:

Ana Cecilia Romeu disse...

Cida, Cidinha! Tudo bem?
Muito boa essa analogia!
Desde embrião já existe ali uma vidinha! Me lembro da emoção de ver minna bebê pela primeira vez numa ecografia, do tamanho de um feijãozinho, nunca me esqueço que ela era para ter no máximo 1cm, e já media 1,2cm... rsrsr Grandona!
Quando nasceu: 52cm e 3.920kg (!!!), e constatou, por fim, que existe sim vida após o nascimento!
rsrs

Cida, beijinhos para ti, família e turminha pequena!
Ótimo domingo! :)

Não vai postar mais fotinhos do Daniel?

AC disse...

Cida,
Um texto bem urdido, sem dúvida, a mexer com outras contas...

Beijo :)

Edna Lima disse...

Que maravilhoso. Belo diálogo.
Um belo domingo pra ti . Bjs. Edna

Cidinha disse...

Bom Dia amiga! Belo seu texto. Me deixa emocionada... Não sou mãe natural, más penso que é divino ser mãe de verdade. Esperar um filho dedicar todo amor e carinho, cuidar dele. No mundo de se banaliza essa idéia e se joga no lixo. È claro que ainda é excesção, más muito triste, lamentável. Bjos querida! tTodo carinho pra vc e uma linda tarde de domingo. Adorei! Bela imagem.

Poétesse disse...

Analogia interessante sim, porque durante toda a leitura do texto eu não conseguia pensar em mais nada que não fosse a vida depois da morte!
A imagem é lindissíma!

Vítor Fernandes disse...

Olha que está muito engraçado. E que nos permite refletir sobre tanta coisa que nos questionamos e para as quais não temos nem respostas nem certezas. Gostei.

Anônimo disse...

Lindo Cida, vou compartilhar no face....Lu

Paloma disse...

CIDA, excelente diálogo e com lógica. Tudo faz sentido.

Beijos

AVOGI disse...

AMiga daqui da frente, este texto é como direi pesado, mas com lógica
kis :=)

Ceu disse...

Achei muito interessante esse post.
Bjs

Geyme Lechner disse...

OI Cidinha!!!!
Que saudades de passar por aqui!!!!

Eu queria saber da onde vc desenterra essa habilidade para encontrar textos anonimos incriveis!!!!

Olha, estou meio sumida, mas nao morta, hein!! rsrsr nao va achar que eu pipoquei.....
Adorei o texto!!

Bom comecinho de semana,
Beijo enorme!!!!!!!!!!!

✿ chica disse...

Puxa, que coisa linda! Adorei teu comentário que li agorinha.

Quanto ao marido,que perguntaste, hoje levamos um novo baque ( podes ler no

canteirosdavida.blogspot.com)

mas agora, passado mais um pouco de tempo, só posso pensar em agradecer por ter sido pego na hora certa! beijos,tudo de bom,chica

RSM disse...

Querida Cida,

passei para desejar uma boa semana para si e para os seus!

Beijinho e um abraço daquele tamanho que você sabe.

。♥ Smareis ♥。 disse...

Cida, Que lindo esse texto. Uma analogia super interessante.Belo dialogo que me faz refletir.Beijos querida e ótima semana.

Fátima disse...

Oi Cida,

Nossa...eu adorei esse texto, essa analogia de vidas, porque é exatamente o diálogo nosso no que se refere a morte e Deus.
Lindo!

Visitando, seguindo

Beijo meu

Zélia Guardiano disse...

Cida, minha querida amiga

Este é, certamente, um dos textos mais lindos que já li!
Impressionante como as coisas se encaixam perfeitamente...
Só mesmo você, querida, poderia presentear-nos com uma joia, assim, tão valiosa!
Muito, muito grata pela partilha!
Abraço muito, muito forte e beijinhos repletos de amizade...

Bergilde disse...

Linda demais a mensagem Cida!Uma grande lição mostrando-nos que nesse mundo somos apenas peregrinos e que fazemos todos parte de um grande plano do nosso Criador.
Abraço carinhoso,

Mariazita disse...

Menina! Que texto maravilhoso!
É exatamente o que se passa na vida real, mas como é apresentado com "fetos" adquire uma ternura enorme.
É o retrato fiel do crente e do descrente - uns acreditam na vida para além da morte (eu acredito), outros não querem nem saber!
ADOREI!

Boa semana. Beijinhos

Jorge Pimenta disse...

o que se esconde do outro lado das janelas do olhar? há tão mais mundo para além daquele que julgamos saber...
um beijinho, querida amiga cid@, desejando que o teu porto, ao som do fado, te tenha sabido tão bem quanto o nosso, ali na ribeira :)
beijinho grande!

JAN disse...

CIDA
ANALOGIA MUUUUUUITO INTERESSANTE MESMO!
OBRIGADA POR PARTILHAR ESTE BELÍSSIMO TEXTO... DÁ O QUE PENSAR.

BEIJOS
JAN

Giovana Schneider disse...

Linda postagem para uma boa reflexão,
ceta vez postei tbm no meu face este texto que encontrei e gostei muito.

ABRAÇO CARINHOSO E FRATERNAL ...

GIOVANA

Luna Sanchez disse...

Poderia ser um diálogo interno.

Gostei muito, flor.

Um beijo,

Laura disse...

Com esta conversa voltei ao tempo de minha gravidez do Nuno, há 32 anos e lembrei que falava muito com ele, quando li que as crianças ouvem no ventre materno, e eu como não ouvia e queria que ele ouvisse, punha a música, auscultadores, estendia-me no sofá e dava leves batidas na barriga falando com ele,Ouve meu filho, ouve...e ficávamos ali os dois na doce quietude de mãe e filho...e mal nasceu, ao outro dia tive a prova que ele ouvia, tudo por acaso...mas nada por acaso...

Um beijinho da fitinha que tem saudade de vc.

laura