segunda-feira, 27 de junho de 2011

Solilóquio ao Entardecer




" Solilóquio ao Entardecer "




Interessante, amor, como depois de tantos descaminhos
de tantos desajustes, a vida vai ajeitando a felicidade,
ou a felicidade vai se ajeitando na vida,
sem a gente perceber, se enrodilhando em si mesma como um gato no tapete.

Como vamos reduzindo as proporções de nossos sonhos
(sem que nos apercebamos disto),
modificando nossos planos
(aquelas aspirações que eram
como viagens à Marte),

limitando os horizontes de nossa felicidade,
e por isso mesmo, tornando-a possível, real, palpável,
capaz de ser possuída, sem nada perceber de seu conteúdo,
antes tomando uma forma imprevista. Apenas.

Estranho, amor, como a felicidade
pode se reduzir a um quase nada
( sem deixar de ser tudo )
sem deixar de ser felicidade!

(Sabe uma coisa, amor?
A gente só pode ser feliz depois de ter andado muito,
e ter provado os tragos amargos da vida,
e depois que afinal a gente chega a uma espécie de filosofia
sobre o querer, e o poder alcançar...)

Interessante, amor, mas vamos concluindo que a renúncia
é a irmã mais velha da felicidade,
- Irmã Renúncia!
- e só por ela, chegamos tantas vezes àquela alegria de saber
quanto nos basta esse pouco que nos transborda das mãos...



(Início do poema "Solilóquio ao entardecer", de J G de Araújo Jorge)

17 comentários:

RSM disse...

Bonito!

Boa semana para si e para todos!

Beijo do tamanho do Oceano que nos separa!

João Menéres disse...

Deste teu post, destaco :
> A gente só pode ser feliz depois de ter andado muito,
e ter provado os tragos amargos da vida <.

Um beijo.

✿ chica disse...

Gosto muito desse poeta! Linda semana!bjs,chica

Pitanga Doce disse...

Sempre gostei de J.G de Araújo Jorge. Aliás, nos tempos de liceu copiei para um caderno o livro inteiro ESPERA. Mas olha que discordo quando ele diz que a Renúncia é a irmã mais velha da felicidade. Não é não. Ela é o travo no mel.

Boa semana Cida.

Gisley Scott disse...

Só existe felicidade verdadeira qdo nos importamos com o bem-estar do próximo.Eu digo isso por experiência própria.Toda vez que foquei no que era importante só pra mim e até consegui, mais um ficava frustrada e insatisfeita.

Isso não quer dizer que a pessoa deve ser tapete do Aladim para as pessoas voarem, mas todo bem que fazemos aos outros nunca volta vazio :)!- é um preencher de felicidade que não tem tamanho.

Smareis disse...

Um belo poema do J.G de Araújo Jorge, gosto muito desse poeta. Ele tem o dom das palavras. Um abraço e ótimo começo de semana.

Fernanda disse...

Amiga Cida,

Há dias que alguém fala por nós e nos diz exactamente o que sentimos.
Aqui e agora, acabei de ler exactamente o que escreveria se para tanto tivesse eu a arte.
Para se ser feliz é preciso tão pouco!

Obrigada
Beijinho

AVOGI disse...

mulher apaixonada com tu e ti só sai coisa linda
e tu és linda e por isso escreves coisas lindas com sentimento, minha amiga dali da frente do outro lado do mar que nos separa ou..que nos une
kis .=)

Paloma disse...

CIDA, no meu tempo de Ginásio, J.G. de Araujo Jorge era meu poeta preferido. Na época, um namoradinho me dedicou o poema ¨A Colegial¨.

Beijos

Aninha Zocchio disse...

Cida, que texto emocionante...
Ahh eu penso que algumas vezes renunciamos ao amor, porque aceitamos, mudamos nossos valores, nem sempre o amor que arrebata nos faz feliz... fuga talvez??? Não sei!
Abraços querida, adorei seu comentário viu!!?
rsrs
Beijinhos

Tite disse...

Amiga Cida,

Agora que cheguei aos 65 anos, e por experiências vividas, assino por baixo as palavras do poeta.

Chuac!!!!

Deusa disse...

O QUE???????,passa e nem deixa um alôooo...kkkkkk.Eu sei como é,sabe que estou sempre em falta com todo mundo,mas falo sempre a verdade...não tenho muito tempo e o que tenho PRECISO aproveitar para dar atenção a filhinha e ao marido,as vezes quando posso vir aqui,maridinho não sai do joguinho(mas antes assim,pelo menos esta em casa..rsrsrs),depois Maitê senta e vai para seus joguinhos escolhidos...eu não compro um Leptop,senão ai não faço mais nada....vou indo devagar.
Amei seu Blog,depois posso tirar uns versinhos e uma foto pra levar?
Deusa
vasinhos coloridos

Tais Luso disse...

Oi, Cida;

Este poeta é do real! Gostei muito daqui...
'(Sabe uma coisa, amor?
A gente só pode ser feliz depois de ter andado muito,
e ter provado os tragos amargos da vida,
e depois que afinal a gente chega a uma espécie de filosofia
sobre o querer, e o poder alcançar...)'

E o final é belo.
Linda, linda postagem, amiga.
Beijo pra você.
tais luso

Nallyson Oliveira disse...

Oi Cida Tudo bem com você? Puxa quanto tempo não nos falamos hemmm?
Passei aqui pra dizer que excluí aquele meu blog e estou de blog novo. Agora escreverei sobre meus novos projetos de vida e inclusive o mais importante que deu margem para todos os outros, FAZER CINEMA. Ainda tá no início, ou melhor dizendo EU ainda tô no início. E à medida em que eu vou crescendo ele vai evoluindo....
...Me segue lá tbm....
...Abraços do seu amigo NALLYSON OLIVEIRA

Jorge Pimenta disse...

a sensibilidade, o altruísmo e a solidariedade são as marcas distintivas deste blogue e, por inerência, de quem o dinamiza.
um beijo para uma pessoa muito especial!

Solilóquio ao longe disse...

Lindo blog...

se gostas de poesia venha visitar-me em:

www.soliloquio.blogspot.com

te seguirei, vc retribui o seguimento?

um grande abraço...

Solilóquio ao longe disse...

Lindo blog...

se gostas de poesia venha visitar-me em:

www.soliloquioaolonge.blogspot.com

te seguirei, vc retribui o seguimento?

um grande abraço...