quinta-feira, 10 de março de 2011

A Arte de ser Avó

A Arte de ser Avó


( Raquel de Queiroz )


“Netos são como heranças. Você os ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso, de repente caem do céu... É como dizem os ingleses, um Ato de Deus. Sem se passarem as penas do amor, sem os compromissos do matrimônio, sem as dores da maternidade. E não se trata de um filho apenas suposto. O neto é realmente, o sangue do seu sangue, filho do filho, mais filho que filho mesmo...

Cinqüenta anos, cinqüenta e cinco... você sente, obscuramente, nos seus ossos, que o tempo passou mais depressa do que esperava. Não lhe incomoda envelhecer é claro. A velhice tem as suas alegrias, as suas compensações; todos dizem isso, embora você, pessoalmente, ainda não as tenha descoberto, mas acredita. Todavia, também obscuramente, também sentia nos seus ossos, ás vezes lhe dá aquela nostalgia da mocidade. Não de amores com suas paixões: a doçura da meia idade não lhe exige essa efervescência. A saudade é de alguma coisa que você tinha e que lhe fugiu sutilmente junto com a mocidade.

Bracinhos de criança. O tumulto da presença infantil ao seu redor.
Meu Deus, para onde foram as crianças?

Naqueles adultos cheios de problemas que hoje são os filhos, que tem sogro e sogra, conjugue , emprego, apartamento e prestações, você não encontra de modo algum as suas crianças perdidas. São homens e mulheres - não são mais aqueles que você recorda.

E então, um belo dia, sem que fosse imposta nenhuma das agonias da gestação ou parto, o doutor lhe coloca nos braços um bebê. Completamente grátis – nisso é que está a maravilha.

Sem dores, sem choro, aquela criancinha da qual você morria de saudades, símbolo ou penhor daquela mocidade perdida. Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um filho seu que lhe é devolvido.

E espantoso é que todos lhe reconhecem o direito de amar com extravagância. Ao contrário, causaria espanto, decepção se você não acolhesse imediatamente com todo aquele amor recalcado que há anos se acumulava, desenhando no seu coração.

Sim, tenho certeza que a vida nos dá netos para nos compensar de todas as perdas trazidas pela velhice. São amores novos, profundos e felizes, que vêm ocupar aquele lugar vazio, nostálgico deixados pelos arroubos juvenis.

E , quando você vai embalar o neto e ele, tonto de sono abre o olho e diz: “Vó!, seu coração estala de felicidade, como pão no forno”...


Agora vou me deitar, pois amanhã vou ficar o dia todo curtindo a minha netinha Bruna :)
Boa Noite!

11 comentários:

Léo Santos disse...

Por enquanto, tenho, apenas, duas filhas mulheres, pequeninas ainda, mas hei de um dia gozar dessa tal alegria que nos dão os netos. Daí, quem sabe, um guri!

Um abraço!

chica disse...

Lindo texto e desejo uma ótima curtição!Isso é bom!beijos,tudo de bom,chica

Edna Lima disse...

Que maravilha este texto!
Com minha neta, eu que viro a boneca dela.
Vai no meu guarda roupa fica escolhendo vestidos pra eu vestir.
Ai de mim se não visto.Ainda faz maquiagem e diz: Vc tá linda vovó!
Engraçado demais.
Um belo dia com sua neta hoje.
Bjs.Edna

Beth Blue disse...

Deve ser mesmo muito gostoso ser avó. Mas confesso que é uma das minhas maiores tristezas também...minha mãe nunca conheceu o netinho dela. Ela faleceu no mesmo ano que eu engravidei (antes).

Daquelas coisas da vida que a gente não controla...curta muita sua neta!

Laura disse...

Onde estão meus netinhos? já vou nos 59...mas meus filhos aidna não estão para ese lado, a vida está dura e a Neide longe, o Nuno aqui mas difícil ter emprego, ah ,menina, acho que meus netinhos vão ter de esperar mais um pouco.

beijinhos à deliciosa que é você.

laura

Cris de Souza disse...

tem coisa melhor que um colinho de vovó?

beijo nessa vovó coruja!

Maria Helena disse...

Sábia Raquel de Queiroz que soube bem expressar nossos sentimentos de avós.
E quando escutamos um 'VÓ, TE AMO"?
O meu coração se derrete como um sorvete ao soL...
Aproveite bem mais esses dias com Bruna. Abraços a todos.

Paloma disse...

CIDA,isto sim, uma definição centra
da, equilibrada e realista,da condi
ção de ser avó.

Beijos para você e sua netinha

Denise disse...

Ser avó é tudo isso, e muito, muito mais!!!!

Curte bastante a tua, eu vou curtir o meu dentro de poucos dias!!
Bjos, amigavó!!

Jorge Pimenta disse...

querida amiga,
as exigências da vida urbana, hoje [onde o trabalho absorve as pessoas até tarde no dia e na vida], afastam os avós dos netos, ao ponto de alguns deles nunca chegarem a conhecer verdadeiramente os pais dos seus pais. a perda de valores em muito se explica por isso.
felizes aqueles que crescem no sorriso de avós como tu, aqueles que se entregam plenamente.
um beijinho com ternura!

claudiafux@bol.com.br disse...

Amigavó querida,

Meu netinho chegou de forma muito inesperada...
Passado o susto (já se foram quase 7 anos) ele é nossa grande alegria nesta casa.
Eu e o vovô estamos sempre por perto, e acabamos abrindo nossos espaçoes e corações cada vez mais para ele.

Agora mesmo estava aqui na internet pesquisando uma receita de biscoitinhos amanteigados para fazermos juntinhos.

Sabe, fazer um bonequinho ou uma minhoquica (fiz tanto com minha avó) e na hora de comer os biscoitinhos este é do netinho .... foi ele quem fez.

Pois então, curta a Bruninha amanhâ que irei fazer biscoitinhos amanteigados com o Guguinha.

Bjs no core
claudiafux