terça-feira, 18 de janeiro de 2011



O vento espalha as flores pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.
Às vezes brilha o sol em demasia
Outras vezes desmaia com frieza;
O que é belo declina num só dia
Na eterna mutação da natureza.

( William Shakespeare )

10 comentários:

Laura disse...

Quase que posso dizer; tal qual o amor, hoje colorido, feliz, amanhã magoado,sem cor, acabou? murchou.

belissimas imagens.

beijinho da metrimeio.

Tite disse...

Sábias palavras de Shakespeare.

A eterna mutação da natureza da qual fazemos parte.

Beijosssss

Zélia Guardiano disse...

Puro encantamento, minha querida Cida!
Imagens maravilhosas e texto divino!
Também, sendo de quem é...
Adorei, amiga!
Abraço bem forte!

Mariazita disse...

Olá, Cida
É verdade que o tempo do verão é bem pequeno. Pelo menos eu assim penso, pois gosto muito de calor:)
Lindo poema do grande Shakespeare!

Uma semana feliz. Beijinhos

Tere disse...

oi amiga, lindo, passei para te deixar um bju tere.

JB disse...

Passear asim num espaço polvilhado de pétalas é viajarmos num raio de sol perfumando a terra!

Que sensação tão agradável!
Para onde viajará cada uma dessas pétalas quando a brisa e o vento decidirem espalhar esse aroma?...

Beijinhos

Paloma disse...

CIDA, sempre fico fascinada ao ver
o chão cheio de petálas ou mesmo
flores, como também folhas caidas
de uma árvore. Acho lindo.

Beijos

Luana disse...

lindo, lindo, lindo!!!!!!!

beijos no coração
Luana

Jorge Pimenta disse...

e o hoje rapidamente se torna ontem...
beijinho com olhar prospectivo, amiga de recortes com cor, delicadeza e gesto sempre singulares!

Cris de Souza disse...

sou mutante, vivo em movimento...

beijo, luminosa!