sexta-feira, 25 de junho de 2010


E há palavras e noturnas palavras gemidos
Palavras que nos sobem ilegíveis à boca
Palavras diamantes palavras nunca escritas
Palavras impossíveis de escrever
Por não termos conosco cordas de violinos
Nem todo o sangue do mundo nem todo o amplexo do ar.

( Mário Cesariny )

2 comentários:

Jorge Pimenta disse...

oh, este cesariny... sabes que tenho este poema dito pelo próprio e musicado pelo imenso rodrigo leão? talvez esteja disponível no youtube. belíssimo, cid@!
um beijinho!

Bergilde Croce disse...

Belo e profundo pensamento!
Cida, atualizando minhas leituras por aqui!