sexta-feira, 15 de maio de 2009

Mãe não tem limite,/ é tempo sem hora,/ luz que não apaga/ quando sopra o vento/ e chuva desaba,/ veludo escondido/ na pele enrugada,/ água pura, ar puro,/ puro pensamento.
(Carlos Drummond de Andrade)

Um comentário: